Quais os Prós e Contras da Guarda Compartilhada? Entrevista com Terapeuta Familiar Isabela Leal

O blog Mãe Sem Frescura recebe a Terapeuta Familiar, Isabela Leal, abordando um assunto delicado: Quais os prós e contras da Guarda Compartilha?

Você sabe o que é guarda compartilha?
Quais os prós e contras da guarda compartilhada?
Como saber se esta é a melhor alternativa para a criança e pais?

Mãe Sem Frescura - Quais os Prós e Contras da Guarda Compartilhada - Entrevista com Terapeuta Familiar

Atualmente, a guarda compartilhada está em alta e as crianças de pais separados tem que aprender a conviver com esta nova forma de vida que é escolhida pelos pais. Uma separação nunca é indicada para as crianças, entretanto viver um ambiente onde os pais já não se entendem mais também não é o aconselhável.

Quando a separação acontece…
Com quem deve ficar a criança?
Pai? Mãe? Os dois?

A decisão do casal de se separar não é nada fácil e muitos convivem por anos infelizes por causa dos filhos, o que não concordo (mas, este é assunto para outro post). Quando acontece a separação, as crianças sofrem demais, porque não terão mais a oportunidade de conviverem com os pais, ou seja, estarão somente com o pai ou a mãe, e talvez os dois estejam juntos no aniversário, embora isso seja difícil em algumas situações onde a separação não foi algo fácil.

São raros os casos que o pai assume a paternidade sozinho, entretanto a maior incidência é a mãe assumindo isoladamente a maternidade, porque o pai simplesmente desapareceu. Mesmo neste cenário de pais pouco participativos, há muitos que querem ficar com os filhos, não somente nos finais de semana, mas em forma de guarda compartilhada.

A guarda compartilha é um direito da família que decide pelo compartilhamento igualitário entre os pais (sejam eles separados ou aqueles que nem sequer foram casados) de conviver e ter todas as responsabilidades perante ao filho. Diante deste cenário, a criança normalmente fica 4 dias na casa de um e 3 dias na casa do outro.

Com este assunto que difere opiniões, convidei a especialista em Terapia Familiar, Isabela Leal, para somar ao blog Mãe Sem Frescura e responder a seguinte questão: Quais os Prós e Contras da Guarda Compartilhada?

 

Por Isabela Leal

“A nossa legislação prevê dois tipos de guarda:

Compartilhada, onde a criança ou o adolescente mora com um dos pais, mas não há regulamentação de visitas nem limitação de acesso à criança em relação ao outro, as decisões são tomadas em conjunto e ambos dividem responsabilidades quanto à criação e educação dos filhos;


Unilateral, na qual a criança mora com um dos pais que detém a guarda e toma as decisões inerentes à criação, o outro passa a deter o direito de visitas, regulamentada pelo juiz.

Na teoria, a guarda compartilhada é mais justa para todos, logo, a melhor opção. Porém na prática, é preciso que os pais tenham um diálogo aberto e uma relação cordial para que a criança não seja usada como alvo de disputa entre eles (caso os ex-cônjuges guardem possíveis mágoas um do outro). A criança precisa ter referências e papéis bem definidos. Quem é o pai, quem é a mãe, qual é o seu endereço, onde estuda, etc. Dito isso, via de regra defendo que a criança deve morar com um dos responsáveis (para ter um endereço definido, uma referência de onde mora) e a outra parte deve ser participativa e presente na vida da criança igualmente.

Para que a guarda compartilhada seja uma escolha bem sucedida, a comunicação entre os pais é uma premissa básica para a saúde desta família. Falar em uma única voz, procurar manter posicionamentos próximos, combinados e flexibilidade nas decisões favorecendo o bem estar da criança.

Por fim, lembrem-se: o mais importante não é quanto tempo passamos com os filhos, mas sim a qualidade deste tempo.”

Quer saber mais da Isabela Leal?!

Pedagoga
Especialista em Terapia Familiar pela Logos/Abratef
Especialista em Psicopedagogia pela Uerj
E-mail: conexaopaisefilhos@gmail.com
Instagram: @conexaopaisefilhos

Fonte Foto: http://www.istoe.com.br/

Avalie