Como ter sexo e romance após a maternidade?

Mãe Sem Frescura - Como ter sexo e romance após a maternidade - O que fazer para que o relacionamento não caia na rotina

Após anos de casada e filhos…

O seu casamento caiu na rotina?
O seu marido reclama por atenção?
O seu filho dorme com você?

Fique tranqüila, isso não é só com você, e sim, com a maioria dos relacionamentos.
Entretanto, ainda dá tempo de salvar o seu casamento e dar um sacode no seu relacionamento.
Saiba como.
Isabela Leal em entrevista a Mãe Sem Frescura
Isabela Leal em entrevista a
Mãe Sem Frescura

No post de hoje “Como ter sexo e romance após a maternidade? O que fazer para que o relacionamento não caia na rotina?”, Mãe Sem Frescura entrevistou Isabela Leal, pedagoga e especialista em Terapia Familiar e Psicopedagogia,  que respondeu as principais dúvidas dos casais, apresentando dicas que ninguém nunca te contou e mostrando como é possível reacender a paixão aliando romantismo e sexo mesmo após a maternidade, trazendo benefícios para todos da família.

1) Mesmo que a gravidez tenha sido planejada, a chegada de um bebê muda completamente o relacionamento do casal. As tarefas são divididas: a mulher as assume com naturalidade e o homem talvez não saiba lidar com as novas responsabilidades. Como o casal deve lidar com esta situação?

Isabela Leal: Como eu sempre digo para os meus pacientes, não há nada que uma boa conversa não resolva. Sem dúvidas a vida do casal muda com a chegada de um bebê, a começar pelo fato de eles passarem a ser uma família a partir do nascimento do primeiro filho, mas com uma conversa franca e com os combinados, o casal se adapta bem à essa nova, desafiante e deliciosa realidade. Vale dizer que além de os combinados serem fundamentais para definirem o que cada um tem por função e responsabilidade, é importante que a mãe desconstrua essa falsa verdade de que o homem não é capaz ou não vai saber fazer. Nós mulheres temos a tendência de não permitirmos que os homens executem determinadas tarefas e eles acabam se resignando e entrando na zona de conforto. Mas com isso, nós ficamos sobrecarregadas, cansadas, estressadas e frustradas com a não participação do pai. Portanto, credibilizem, incentivem e aceitem que os pais participem das tarefas relacionadas ao bebê. Eles também são capazes e se não souberem algo, aprendem! Para os pais, tenham certeza de que os laços com o bebê ficarão mais estreitos e o relacionamento com a mamãe ficará mais forte com esta parceria.


2) A mulher não está mais disponível para o homem como estava antigamente, é preciso dividir a atenção com o bebê que requer uma série de cuidados. Em muitos casos, a mulher não percebe a situação e o homem se sente rejeitado pela companheira. A mulher realmente não percebe ou considera que o filho é a prioridade número 1? Como o homem deve lidar com isso? Só conversar adianta?

Isabela Leal: É bastante comum nos primeiros meses como mãe, a mulher focar no bebê e naturalmente se afastar do marido. E não podemos culpá-la. É fato que o recém-nascido demanda muita atenção (principalmente da mãe por amamentar) e aprender a administrar a nova rotina leva um tempinho. Mas esta atenção pode e deve ser dividida. Equilíbrio é sempre uma palavra muito útil para os momentos de dúvida. Ora, se a mãe amamenta, levanta na madrugada e passa o dia mais em função do bebê do que o pai, é justo que ele contribua em algumas tarefas que não dependam da mãe (como por exemplo o banho, ninar e pôr para golfar). Todos ganham, pois a mãe fica menos em função, ganha um tempinho para se cuidar (tomar um banho mais relaxante, fazer as unhas, etc), a auto-estima se eleva, ela conseguirá prestar mais atenção no marido e ele por sua vez ganha com uma mulher melhor cuidada, menos cansada e cria um laço mais forte com o bebê. Mas tudo isso só pode acontecer por intermédio de uma boa conversa e dos combinados de cada família.

3) Como o casal pode se organizar para que o casamento seja além dos filhos e não caia na rotina?

Isabela Leal: Tudo o que fazemos na vida exige interesse e algum esforço para que dê certo. É claro que quanto à retomada dos pais como um casal após a chegada dos filhos não é diferente. Para que isso aconteça, é aconselhável que cada um (pai e mãe) tenha um tempo só seu para se cuidar (praticar um esporte ou ir ao salão de cabeleireiro por exemplo) e para se distrair com outras pessoas (como um café com as amigas, um futebol com os amigos) enquanto o outro toma conta do bebê. Além disso, um programa em casal semanal ou quinzenalmente também é muito importante para os papéis de pai e de mãe darem espaço ao papel de casal (cinema, jantar fora, etc). É claro que nem todos poderão fazer este programa de casal, por não ter com quem deixar os filhos ou por outro motivo qualquer. Nestes casos, é interessante cada família adaptar à sua realidade, como por exemplo, o casal juntos fazer um jantar a sós depois que as crianças dormirem, com direito à música e vinho.
________________________________________________________________________

Fique atenta no blog Mãe Sem Frescura, porque a segunda parte (confira aqui) da entrevista com Isabela Leal, especialista em Terapia Familiar, será divulgada na próxima segunda.

Não perca a oportunidade de salvar o seu casamento (ainda dá tempo).

Ajude as suas amigas também.
Comente e Compartilhe!

Saiba mais a respeito de Isabela Leal:
Pedagoga
Especialista em Terapia Familiar pela Logos/Abratef 
Especialista em Psicopedagogia pela Uerj
E-mail:
conexaopaisefilhos@gmail.com
Instagram: @conexaopaisefilhos

 

* Fonte Foto: dicasdegravidez.com.br

Avalie