Meu filho não come carne! E agora? O que fazer?

No post de hoje “Meu filho não come carne! E agora? O que fazer?” contarei um pouquinho do meu dilema e uma solução surpreendente (pelo menos pra mim).
Mãe Sem Frescura - Meu filho não come carne - e agora - o que fazer
fonte da imagem: site GNT / Globo
 
Hoje o Flavio tem 4 anos e meio e há algum tempo o quesito comida tem me preocupado bastante. Ele foi criado na escola (foi pra escola com 5 meses), ou seja, sempre comeu de tudo, como: verduras, legumes, frutas, carnes, arroz, feijão, etc. Entretanto, de uns tempos pra cá (mais ou menos 1 ano e meio) as coisas mudaram e agora ele só come arroz, feijão, salsicha, beterraba e macarrão sem molho. Dá pra acreditar?! 


De um dia pro outro ele não quis comer mais nada de carne e outras coisas. Antes ele comia banana, mamão e outras frutas, mas hoje tenho que fazer mágica pra ele comer. Eu não forço, nós conversamos e se ele não quer comer, não come.

Comecei a ficar desesperada e falei com a pediatra que falou que nesta fase é supernormal, ou seja, as crianças vão ficando mais velhas e mais seletivas. Como ele não aceita carne, era para oferecer coisas com proteína, mesmo que com baixa proteína, como nuggets, salsicha, algo que o deixasse atraído e foi isso que fizemos. Ele adorava nuggets, mas hoje nem quer mais, entretanto adora uma salsicha. Então vai salsicha! A pediatra também falou que não era para forçar, porque senão a criança cria aversão das coisas e estamos seguimos esta filosofia (exames de sangue ok e tudo dentro da normalidade). Para suprir esta deficiência de proteína, é indicado vitamina, leite e seus derivados.

O que fazer? Embora estivesse tudo ok, esta semana resolvemos fazer algo diferente. 
Oferecemos salmão assado com uma pequena chantagem que se ele provasse só um pedacinho, conseguiria algo. Topou na hora (achei estranho), porque ele sempre fala: “Eca que nojo!!!” É muito engraçado e ainda faz aquela cara de nojo. O salmão ficou pronto e o chamamos para sentar a mesa, ele veio (achei estranho) e pensei: “Meu Deus! Será que vai ser mais fácil do que eu imaginava?!” 

Quando ele olhou o peixe, começou a fazer cara de nojo e falou: “Eca que nojo!!!” Já estava fugindo da mesa, quando pela primeira vez, falamos: “Não! Você vai provar um pedacinho bem pequeno ou vai dormir aí na mesa! Só sai da mesa quando provar.” Ele começou a chorar desesperado, falando que não queria, que era ruim e etc. Foi um horror!!!

Sentamos no sofá e ele ficou lá na mesa esperneando e tentando fugir. Falávamos, mas ele só chorava. Deixamos ele lá (chorando) e depois de um tempinho, colocou o 1º pedaço na boca. Mas, não foi tão fácil assim?! Ficou aquele pedaço na boca uns 10 minutos (ele com a boca aberta). Depois de muito custo, engoliu. Não forçamos, não apertei a boca, não bati, nada. Sou super contra essas coisas e o diálogo é a melhor opção. 


Ficamos tão felizes que ele engoliu, mas eu queria mais. Falei pra ele que tinha que provar mais um e realmente não acreditei, porque ele comeu vários pedaços. Tenho certeza que percebeu que o gosto era bom e tenho certeza que isso é só o começo de uma nova fase. Nos dias subseqüentes, oferecemos outras opções de carne, ele comeu sem reclamar e ainda falou que estava uma delícia. 

É o que a Super Nanny sempre fala: Se você vence a criança uma vez, ela não te dobra mais. Foi exatamente isso que aconteceu. Um sucesso e estamos muito felizes!!! Não vou obrigá-lo a comer o que ele não gosta, mas se ele não lembra o gosto como ele não gosta. Certo?!

Esse foi o meu método, método que eu desenvolvi. Sem bater, sem apertar a boca, sem gritar, entretanto um pouquinho de castigo e os pais firmes na decisão. 
Fica aí a dica!!! 

Você está na mesma situação com o seu filho? Conte aqui e ajude outras mães! 

Meu filho não come carne! E agora? O que fazer?
3 (60%) 2 votes